Aromoterapia

Erros mais comuns ao usar óleos essenciais

óleos essenciais

É cada vez mais comum falar sobre as propriedades dos óleos essenciais. A razão é simples: eles proporcionam grandes benefícios à saúde de forma segura e econômica.

Esses óleos podem tratar uma ampla gama de problemas, de depressão a acne, ou de problemas de sono a cólicas menstruais.

No entanto, apesar de ser muito fácil de usar, existem alguns erros que você deve evitar ao usar óleos essenciais.

Caso você o cometa, poderá estar diminuindo sua eficácia ou perdendo todos os benefícios.

Tome nota desses erros e corrija-os se você os estiver cometendo.

  1. Congele ao escolher óleos essenciais para usar

Há uma infinidade de óleos essenciais que você pode usar. Cada um com uma série de benefícios que podem ser um pouco desconcertantes.

É por isso que, quando chega a hora de escolher um. Muitas pessoas ficam atordoadas porque ficam pensando nos problemas com os quais têm que lidar.

O resultado é que no final você pode acabar não escolhendo nenhum e continuar com aqueles problemas que tanto o estão afetando.

Para evitar essa indecisão, o recomendável é que escolha de dois ou três tipos de óleo que se complementam. Com base nos problemas de saúde mais representativos.

Tente comprá-los em pequenas quantidades e testar seus efeitos a partir daí.

  1. Compre óleos essenciais sem ter estudado um pouco sobre isso

Outro erro que você deve evitar ao usar óleos essenciais é usá-los “às cegas”.

Tente fazer uma pequena pesquisa sobre eles e seus benefícios para a saúde.

Antes de escolher os que vai comprar, verifique se há algum tipo de contraindicação ou recomendação.

Por exemplo, o óleo de orégano é muito forte e rico em fenóis, por isso precisa ser diluído um pouco para evitar rubor ou tontura. Se tiver dúvidas, pode perguntar no estabelecimento onde os compra.

  1. Misture os óleos essenciais com água

O terceiro dos erros a serem evitados ao usar óleos essenciais é um erro de iniciante e você não deve se sentir mal se o cometeu.

Anteriormente dissemos que existem óleos que precisam ser diluídos para evitar efeitos colaterais irritantes. Mas isso nunca deve ser feito com água, e sim com outro óleo.

O óleo mais básico que pode ser combinado com qualquer óleo é o óleo de amêndoa. Você só precisa misturar ⅓ de óleo de amêndoa com ⅔ do óleo que deseja usar.

Caso você vá aplicar o óleo em crianças ou bebês, é muito importante consultar primeiro um especialista. Lembre-se que a pele dos pequenos é mais sensível.

  1. Aplicar óleos essenciais perto dos olhos sem os devidos cuidados

Outro erro que você deve evitar ao usar óleos essenciais. E com qualquer outro produto, é aplicá-los sem proteger os olhos.

Muitas mulheres querem alongar os cílios ou ter olhos mais bonitos. Então aplicar certos óleos faz parte de sua rotina de beleza. Tudo bem, desde que você se certifique de que nenhum óleo entre nos olhos.

A maneira correta de aplicar os óleos é usando um cotonete. ou pano umedecido com uma ou duas gotas de óleo. Em seguida, deve ser passado suavemente e sem pressão.

As pestanas ou a pálpebra devem estar ligeiramente húmidas, mas sem excessos.

Caso um pouco de óleo entre nos olhos, é importante enxaguá-lo com bastante água limpa.

Provavelmente ficará um pouco vermelho, mas isso é normal. Após o enxágue, é uma boa ideia consultar um oftalmologista apenas para garantir que não haja danos.

  1. Usar óleos essenciais com muita frequência ou quase nunca

O quinto dos erros a serem evitados ao usar óleos essenciais vai direto aos extremos.

Algumas pessoas se apaixonam tanto pelos benefícios desses óleos que os usam a cada dois dias. Outros os usam apenas uma vez e esperam que os benefícios sejam mantidos ao longo do tempo.

Ambas as posições são igualmente erradas. Normalmente, você precisará usar os óleos uma vez por semana. Pois seus efeitos são graduais e podem ser facilmente perdidos.

  1. Escolhendo óleos apenas porque você gosta de seu aroma

Sabemos que muitos óleos essenciais têm um aroma delicioso e que todos têm seus aromas favoritos.

No entanto, comprar um óleo só porque você gostou do cheiro e esperar que ele resolva seus problemas não é uma boa ideia.

É melhor fazer uma pesquisa prévia para identificar os óleos que o ajudarão a tratar os desconfortos que deseja corrigir. Então, com base nessas informações, você pode escolher o aroma que mais gosta.

Assim você evita complicar seus problemas. Por exemplo, muitas pessoas apreciam o cheiro de lavanda, mas não percebem que ele tem efeitos sedativos e calmantes.

author-avatar

Sobre Joana Paes

Joana Paes é uma especialista em aromas, com uma paixão contagiante por transformar espaços e vidas através do marketing olfativo e da aromaterapia. Fascinada pela maneira como os aromas mexem com nossas emoções e memórias, Joana se tornou a orientação na criação de ambientes únicos para empresas e pessoas, usando o poder das fragrâncias e dos óleos essenciais. Além de ser uma defensora do bem-estar, ela mistura sabedoria antiga com pesquisas modernas para criar soluções que nos fazem sentir incríveis por dentro e por fora. Sempre pronta para compartilhar o que sabe, Joana leva todos numa viagem olfativa através de seus workshops e artigos no blog da Alma Leve Aromas. Ela não é só uma especialista; é uma exploradora dos sentidos, convidando a todos para descobrir como os aromas podem fazer nossas vidas e eventos brilharem ainda mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *